A capa variante de Batgirl: Esquecemos que uma heroína foi abusada! A capa variante de Batgirl: Esquecemos que uma heroína foi abusada!
A indústria foi sacudida essa semana por mais uma polêmica que dividiu os fãs resultando em vários debates sobre o assunto. A polêmica se... A capa variante de Batgirl: Esquecemos que uma heroína foi abusada!

A indústria foi sacudida essa semana por mais uma polêmica que dividiu os fãs resultando em vários debates sobre o assunto. A polêmica se deu em virtude de uma capa variante da revista Batgirl, onde o artista Rafael Albuquerque retrata Barbara Gordon nas mãos do Coringa vestido com a mesma roupa da história “A Piada Mortal”. Contudo a capa gerou reações diversas nos fãs, onde muitos se sentiram incomodados justamente pelo pavor e pânico expressos no rosto de Barbara.

O que poucos não repararam ou optaram por ignorar, foi que era uma ilustração onde todos só viram um vilão de quadrinhos ao lado de uma heroína com medo, e não lembraram que na verdade estava ali uma ilustração onde o estuprador estava ao lado de sua vítima o que a deixou apavorada. Nisso dois pontos devem ser ressaltados:

A arte não se propõe a apenas retratar o belo ou expressar belos sentimentos como amor e amizade. Arte expressa todos os tipos de emoções e o medo, pavor, ódio fazem parte. E o trabalho que Rafael fez foi perfeito e artístico. Ao ponto que eu senti medo por ela. Passar isso numa arte que até então era meramente comercial é um mérito do artista e isso não se discute.

Contudo, levando em consideração o passado destes personagens, nós lembramos automaticamente de uma das mais épicas histórias do Batman que foi “A Piada mortal” de Alan Moore. Todos lembram de uma história fantástica onde o Coringa tenta provar para o Batman seu ponto de vista e lembram de uma história primorosa. Contudo há algo que todos esquecem, que é  meu segundo ponto… A Batgirl foi estuprada!

Difícil ler isso de maneira tão clara, não? Alguns ainda tentam por em dúvida esse fato, mas a partir do momento que o Coringa atirou nela, a despiu, levou o pai dela, deixou ela paraplégica e tirou fotos dela nua sangrando… realmente  você dúvida que isso é um estupro?

Nossa sociedade não discute isso e com certeza a cultura masculina não fala disso também, portanto questionar se isso é um estupro ou não, é algo que infelizmente acontece muito e agora se mostra no meio nerd. É a cultura do estupro que ainda está aqui. Por em dúvida tanto o ato como a vítima.

Agora eu pergunto… por que colocar a vítima apavorada ao lado de seu estuprador em uma revista que tem recebido boas críticas de leitoras femininas seria aceitável?

“Ah mas esse sim é o Coringa! Ele faz esse tipo de coisa, o personagem é assim mesmo!”

Ok, e é esse o personagem que vai ganhar uma homenagem da editora com capas só para ele? Por mais foda que seja o personagem (acredito que seja o melhor vilão de quadrinhos existente), por que vamos glorificar numa capa o fato dele ter estuprado a heroína da revista? Pense sobre o assunto!

 

José Roberto Weingartner Jr.

José Roberto Weingartner Jr.

Nenhum comentário até agora.

Seja o primeiro a deixar o comentário abaixo.